Avião com 114 pessoas cai em Cuba

Estima-se que apenas 3 passageiros tenham sobrevivido

0

Uma tragédia aconteceu na tarde desta sexta-feira (18/05) em Cuba: um avião com 114 passageiros caiu logo após a decolagem no aeroporto Internacional José Martí, na capital Havana. A imprensa local indica que apenas três deles sobreviveram. O Boeing 737, com capacidade para até 178 pessoas, caiu por volta de meio-dia no horário local (13h08 no horário de Brasília).

De acordo com as agências AFP e Associated Press, a queda ocorreu em uma área rural, próximo ao Terminal 1 do aeroporto, e o voo tinha como destino cidade de Holguín. A aeronave, segundo fontes internacionais, caiu em cima de uma plantação de batata-doce da região. No momento do acidente, o piloto teria feito uma manobra para desviar da área urbana.

A empresa mexicana Damohj seria a responsável pela Boeing, alugado para a Companhia Cubana de Aviación. A Damohj atua no mercado com o nome fantasia Global Air, fazendo locações das aeronaves a baixo custo.

Dos 114 passageiros a bordo, 9 deles eram tripulantes, com seis mexicanos identificados na equipe. O jornal local Granma afirma que havia no mínimo 5 crianças na aeronave – entra elas, um bebê de 2 anos. Todos eram estrangeiros.

A agência Prensa Latina indicou que era possível ver uma imensa bola de fogo e muita fumaça saindo do aeroporto. Bombeiros continuam no local e as três mulheres que sobreviveram à tragédia foram levadas para o Hospital Universitário General Calixto Garcia.

Miguel Díaz-Canel, Presidente do Conselho de Estado de Cuba, chegou logo após o ocorrido e afirmou que as notícias não parecerem promissoras diante das dimensões do desastre. O presidente expressou condolência às famílias, sendo que algumas delas se encontram na área para acompanhar os trabalhos.

Histórico de acidentes

Este não é o primeiro acidente da Companhia Cubana de Aviación, que já exibe um rastro de tragédias na história da Ilha. De acordo com o jornal El País, em 2010, 68 pessoas morreram em um acidente com uma aeronave da empresa estatal. Em 1989, 160 passageiros tiveram o fim trágico, precedido por outro acidente, em 1985, que acabou com 40 mortes.

No voo com mais mortes na história cubana, que contabilizou 160 mortos, o trajeto seguia de Havana para Manágua, na Nicarágua, e apresentou problemas técnicos também no momento de decolar. O último acidente ocorrido no país foi em 29 de abril de 2017, envolvendo um avião das Forças Armadas Revolucionárias.

Roberto Peña, presidente da Corporação de Aviação de Cuba, afirmou que já foram abertas as investigações para determinar o que provocou o acidente de hoje, com causa ainda desconhecida. Mercedes Vázquez, diretora de Transporte Aéreo do país, também deu declarações acerca do acidente à agência Prensa Latina.

Díaz-Canel assumiu a presidência de Cuba há cerca de 30 dias e sua participação ativa durante os resgates evidencia o esforço de passar uma imagem solidária à população cubana. Desde a Revolução, em 1959, o líder é o primeiro presidente civil do país.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.